quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

(RJ) Dança das cadeiras na Polícia Civil deve continuar nesta semana

Martha Rocha define delegados de bairro e de especializadas

Rio - A dança das cadeiras na Polícia Civil deve continuar nos próximos dias, com a definição dos nomes que ocuparão as delegacias distritais e especializadas.

Hoje, a chefe da instituição, Martha Rocha, deve divulgar a lista com os nomes dos novos delegados titulares, definidos ontem numa reunião a portas fechadas que durou mais de cinco horas.

Ela decidiu que todas as unidades da capital serão chefiadas apenas por delegados de primeira classe.

Foto: Carlo Wrede / Agência O Dia

A posse aconteceu na sede da Acadepol, no Centro do Rio | Foto: Carlo Wrede / Agência O Dia

Até a tarde de ontem, as alterações na maioria das especializadas já estavam praticamente acertadas. No entanto, Martha Rocha teria feito ajustes na lista.

Dois nomes que fizeram parte do alto escalão da Polícia Civil na gestão do ex-chefe Allan Turnowski foram cogitados para assumir titularidades. Ex-diretor de Polícia Especializada, Ronaldo Oliveira é o mais cotado para a Polinter. Já o ex-subchefe operacional, Rodrigo Oliveira, deve comandar a Divisão Antissequestro (DAS). Para a Delegacia de Combate às Drogas (Dcod), o favorito é Márcio Mendonça.

Outras escolhas cogitadas são: Marcelo Ambrósio, para a Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA); Cláudio Gois, para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA); Maurício Luciano, para a Delegacia do Consumidor; Marcos Cipriano, para a Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC); e Jader Amaral, para a Delegacia de Roubos e Furtos (DRF).

A Polícia Federal já prepara nova lista de agentes supostamente envolvidos com criminosos, a ser entregue à Secretaria de Segurança. Há quase duas semanas foi deflagrada a Operação Guilhotina para prender 45 acusados — a maioria policiais — de ligação com traficantes e milicianos.

O ex-chefe de Polícia Civil Allan Turnowski foi indiciado por vazar informações. Ontem, Luiz Carlos Magalhães, foragido, se entregou. O acusado de vender um fuzil apreendido seria ligado ao PM Aldo Leonardo Premoli Ferrari, preso na ação.

FONTE: O DIA ONLINE

Postar um comentário