domingo, 6 de fevereiro de 2011

(PR,SP,RS,SC,MT,GO,RO) Gaeco faz ação contra desvio de cargas em rodovias do PR e outros 6 estados

Grupo cumpre 25 mandados de prisão e 34 de busca e apreensão. Entre os detidos, está um investigador da Polícia Civil, um servidor municipal e um servidor estadual cedidos para trabalhar em delegacias

Uma operação deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco)de Guarapuava, na região central do Paraná, cumpre 34 mandados de busca e apreensão e 25 de prisão em 21 cidades de sete estados nesta terça-feira (1). A Operação Trinca Ferro ocorre no Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Mato Grosso, Goiás e Rondônia. Por dois anos, o grupo investigou um grande esquema de desvio de cargas.

De acordo com o promotor Claudio Cortesia, do Gaeco de Guarapuava, nove pessoas já foram presas. Entre os detidos estão um investigador da Polícia Civil, um servidor municipal e um servidor estadual que foram cedidos para trabalhar em delegacias. Eles integrariam uma quadrilha especializada em desvio de cargas e faziam denúncias falsas para a polícia.

Segundo o Gaeco, o esquema movimentou mais de R$ 2 milhões em cargas de diversos produtos, como ferro, fertilizantes, açúcar, semente, tecidos, cosméticos e tratores. Os desvios foram praticados entre os meses de abril de 2007 e setembro de 2010. Os caminhoneiros desviavam a carga que transportavam e registravam um boletim de ocorrência de roubo para apresentar para as empresas que os contrataram.

Prisões e apreensões

Segundo o Gaeco, os únicos funcionários da Delegacia de Cândido de Abreu, no Norte do estado, foram detidos e a unidade corre o risco de ficar fechada caso a subdivisão de Polícia Civil de Telêmaco Borba não designe ninguém para trabalhar no local. Segundo o Ministério Público do Paraná (MP-PR), o servidor público estadual Sidnei Adão Jarenco ocupava o cargo de motorista e exercia a função de investigador de polícia. Já a servidora municipal Clades Martinato Santos trabalhava como escrivã. Ela era responsável pela confecção, mediante pagamento de propina, de diversos boletins de ocorrência unificados falsos, noticiando a ocorrência de roubos não existentes de cargas.

Na Delegacia de Pitanga, na região central, o investigador Ademir Muniz da Silveira, que também exercia a função de superintendente, foi preso. Ele fazia os falsos boletins de ocorrência, depois de receber propina. Em Paranavaí e Maringá, no Noroeste, foram presos Pedro Valdir Ferreira de Ramos, Heloise Alves Fagundes, Valdecir José Ferreira de Ramos, Diogo da Costa Ramos, que seriam líderes da organização criminosa. Segundo o MP-PR, eles aliciariam motoristas de caminhão dispostos a desviar as cargas que iriam transportar e encontravam receptadores para tais cargas. Outras duas pessoas que foram presas não tiveram a identidade revelada.

Essas pessoas são acusadas dos crimes de formação de quadrilha, corrupção passiva e ativa qualificada, furto qualificado, falsificação de documento público, inserção de dados falsos no sistema de informação, lavagem de dinheiro e ocultação de bens direitos e valores.

Os policiais do Gaeco também cumpriram mandado de busca e apreensão na Comarca de Pitanga. As buscas ocorreram no escritório central da banca de jogo do bicho Norte Sul e na residência da gerente, investigada por pagar propina para o servidor público Sidnei Adão Jarenco, que foi detido. Já foram apreendidos aparelhos celulares, arma de fogo ilegal, certa quantia em dinheiro e diversos documentos.

FONTE: GAZETA MARINGA

Postar um comentário