quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

(Campinas–SP) Dados apontam regiões mais violentas da cidade por tipo de crime

Dados divulgados pelas autoridades traçam um perfil dos crimes registrados em Campinas nos 11 primeiros meses de 2011. As ocorrências de dezembro não foram divulgadas ainda. Em média, a cidade registrou 136 casos de violência por dia.

Furto e Roubo
No centro estão concentrados os casos de furto e roubo. Dos 25 mil registros, 6.474 foram na região central que é a sede do 1º Distrito Policial, um dos maiores do Estado de São Paulo. “É uma sensação horrível”, disse Rosaina de Lima, vítima de assalto em um terminal de ônibus da cidade nesta quarta-feira (18).

Homicídios
A região Sudoeste é a mais violenta quando se fala em homicídios. De janeiro a novembro do ano passado, foram 129 homicídios, um a cada dois dias. A região dos DICs é a líder no ranking deste tipo de crime com 29 mortes provocadas, ou seja, 22%. A região do Campo Grande é a segunda com 20 casos. “Não me sinto segura. Falta policiamento e as ruas são escuras”, disse a moradora da região Dalva Santos Dias.
Em 2011, um dos crimes que mais chamou a atenção foi a morte da arquiteta Thais Tokomoto durante a tentativa de assalto. “Ela era uma menina doce e sempre com sorriso na cara e de bem com a vida. Era uma pessoa iluminada”, disse o empresário Guilherme Carvalho.
Roubo de Carros
Quando o assunto é roubo de veículos, a região Norte/Noroeste é a campeã. A região do Castelo lidera a estatística deste tipo de crime com 740 ocorrências. A Avenida Alberto Sarmento, que liga o Castelo à Vila Teixeira, teve uma média de 5 roubos de carros por semana. Vítima, de furto, Thiago Oliveira, foi ao distrito recuperar o carro, que estava danificado e molhado por dentro. “É um transtorno”, lamentou.

Roubo de Cargas
Na questão dos roubos de cargas, Campinas registra dois roubos a cada três dias. Foram 195 ocorrências na cidade entre janeiro e novembro. A região do bairro São Bernardo lidera com 21 casos. Outros pontos com muitos casos são as rodovias Anhanguera e Bandeirantes. Dados apontam que a maioria dos roubos ocorre nas quartas quintas-feiras. Quatro em cada dez casos são nestes dias, de maior movimento no transporte. Os horários mais frequentes são entre 8h e 14h, mas o horário de maior pico é entre 10 e 12h, quando os motoristas almoçam. “Temos muita sensação de medo, muitos amigos meus foram amarrados até com arame”, disse o motorista Marcos Francisco. A Autoban, empresa que administra as rodovias, informou que ajuda o combate ao crime com o sistema de monitoramento por câmeras. A EPTV entrou em contato com a Polícia Rodoviária, mas a coorporação não se manifestou ainda.

OUTRO LADO
O major da Polícia Militar Merci Elber disse que, em média, os crimes tiveram queda nos registros, mas que a questão da violência o combate não depende apenas da polícia.O delegado seccional de Campinas, José Rolim Neto, admitiu que o número de policiais não seja suficiente, masque está sendo feita uma reorganização do trabalho para o combate ao crime.

FONTE: EP CAMPINAS

Postar um comentário