terça-feira, 25 de outubro de 2011

(RN) Assaltos contra veículos de carga nas rodovias do Oeste são coibidos pela tecnologia

Diante do cenário de violência urbana que se instalou nas estradas que cortam o interior Potiguar, com frequentes registros de assaltos à mão armada, além de outros delitos de menor potencial ofensivo, ser motorista de veículos de carga se transformou em uma verdadeira profissão de risco que tem sua insegurança minimizada pela aplicação da tecnologia que tenta coibir ocorrências de roubos nas estradas de Mossoró e região.

O resultado é que a utilização de equipamentos de rastreamento eletrônico tem contribuído para a redução de registros de roubos nas vias que cortam a região Oeste.
Apesar da Delegacia da Polícia Rodoviária Federal em Mossoró e do 2° Departamento de Polícia Rodoviária Estadual (2° DPRE) não dispor de estatísticas oficiais com relação ao registro do número de assaltos contra veículos de carga, levantamentos preliminares realizados pelo CORREIO DA TARDE dão conta de que ocorrências de assaltos à mão armada contra veículos de carga fazem parte da realidade cotidiana dos motoristas que trafegam pelas estradas que cortam o interior Potiguar.

Relatos como o do motorista Silva Lopes, condutor de veículos de carga há 16 anos, dão uma percepção do retrato da violência nas estradas. "A sensação é de humilhação. A véspera de cada viagem é um desafio para os nervos. Nos últimos seis meses, sofri quatro tentativas de assalto em estradas dos Vales do Apodi e do Açu, dois deles em uma mesma noite", contou Lopes.

"O pior e último incidente ocorreu em setembro, por volta das 18h. Na BR-405, no trecho entre Apodi e Mossoró. O caminhão em que estava foi ultrapassado por um Santana vermelho com pelo menos quatro homens armados", relatou o experiente motorista. Ele disse que as marcas da violência ficaram no pára-brisa do caminhão. Cinco tiros vazaram os vidros dianteiros, mas ninguém ficou ferido. O motorista preferiu uma manobra arriscada: jogou o veículo em cima do automóvel dos criminosos e conseguiu escapar.

Outro profissional do volante que também já viveu momentos de tensão à bordo de um veículo de carga foi o motorista de carreta, João Dias, de 55 anos. Ele conta que há um ano, sofreu o terceiro assalto da profissão de 16 anos na BR-304, na altura do município de Assu. A carreta em que ele estava foi cercado por um Golf com quatro homens armados de espingardas e pistolas de grosso calibre. Dias, que estava ao volante, se viu obrigado a estacionar o veículo sob a mira das armas. Após a abordagem violenta, os criminosos o conduziram a uma estrada de chão batido para agir longe da rodovia. Antes que eles começassem a roubar, a polícia chegou ao local, depois de avisada por um caminhoneiro. Os criminosos fugiram do local sem levar nada.

Rastreamento eletrônico: O uso da tecnologia no sistema de transporte de cargas e valores tem contribuído para coibir ações criminosas na modalidade de assaltos. Pelo menos, essa é a constatação feita por uma empresa de Mossoró que atua no ramo há cerca de 40 anos.

Segundo o gerente Diogo Pinto, no período anterior a 2001, antes da adoção do sistema de rastreamento eletrônico, a transportadora contabilizava uma média de 10 a 15 casos de roubos de carga.

Com a implantação da tecnologia via satélite e monitoramento on-line, ele conta que de 2001 para cá foi registrado apenas um caso de roubo de carga. "No ano passado, em uma ação criminosa ousada, tivemos um veículo de carga que foi roubado na altura da Bahia", relata Diogo Pinto explicando que o uso de rastreamento eletrônico trouxe um certo alívio tanto para a empresa, quanto para motoristas e clientes.

Os sistemas de rastreamento de veículos possuem as tecnologias GPS (Global Positioning System) ou DTOA (Differential Time of Arrival) que permitem localizar e bloquear o veículo até que a polícia ou o proprietário cheguem ao local. Os rastreadores possuem também botões de emergência que são instalados no carro e servem para ativar uma central de segurança da empresa.
Profissionais de plantão podem localizar o veículo num mapa que aparece no monitor de seus computadores, enviar uma equipe de auxílio para o local e avisar a polícia.

Combate ao Crime: No final do ano passado, a polícia aplicou um golpe de grandes proporções contra o roubo de cargas. Em dezembro de 2010, a Polícia Federal desarticulou quatro quadrilhas que atuavam roubando cargas no Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Bahia e Ceará. As investigações foram iniciadas no mês de janeiro do ano anterior, após um roubo ocorrido no município de Caicó. A polícia prendeu 31 pessoas. Com exceção dos materiais perecíveis, todos os tipos de cargas estavam vulneráveis aos roubos. Os bandidos abordavam os motoristas quando os veículos estavam estacionados ou em estradas de difícil acesso.

Depois, as vítimas eram levadas para o cativeiro e ficavam sob poder dos sequestradores até a carga ser toda roubada. Na época, a Federal não informou como os bandidos eliminavam os rastreadores dos caminhões, circulavam por atalhos e também falsificavam as documentações apresentadas à Polícia. A estimativa da Polícia Federal é que 30 assaltos tenham sido realizados pelas quadrilhas ao longo de 2010. Pelo menos dez cargas foram recuperadas dos mais variados tipo de material (medicamento, eletrônicos, calçados, material de hospital, limpeza e higiene). O prejuízo calculado foi aproximadamente de R$ 5 milhões.

FONTE: CORREIO DA TARDE

Postar um comentário