domingo, 27 de novembro de 2011

(SP) Índice de roubo de carga diminui 22% na Grande São Paulo

Mais uma vez, a Grande São Paulo reduziu o número de roubos de carga. Foram 319 casos a menos nos primeiros 10 meses deste ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. De janeiro a outubro de 2011, foram registradas 1.147 ocorrências, contra 1.466 até outubro do ano passado – uma queda de 21,76%. As informações constam das Estatísticas Mensais da Criminalidade, contabilizadas pela Coordenadoria de Análise e Planejamento (CAP) da Secretaria da Segurança Pública (SSP).

Outro comparativo a se considerar é a variação criminal dos últimos 12 meses – de novembro de 2010 a outubro de 2011 – com igual período anterior – de novembro 2009 a outubro de 2010. O estudo feito pela CAP permite uma análise das tendências criminais mais consistentes. Nos últimos 12 meses, foram registrados 222 roubos de carga a menos do que em igual período anterior, um recuo de 12,81% - de 1.733 para 1.511.

Aumento da produtividade policial

Um dos indicadores de atividade policial, os flagrantes de tráfico de drogas registraram aumento de 12,35% nos primeiros 10 meses deste ano. Houve 4.157 casos – 457 a mais do que no mesmo período de 2010, quando foram registrados 3.700 boletins de ocorrência (BOs) de tráfico de drogas. Este tipo de ocorrência depende totalmente da ação policial; o crescimento indica maior eficiência das polícias para apreender drogas e prender traficantes.
O número de prisões realizadas pelas polícias até outubro de 2011 subiu 14,18% com 2.454 prisões a mais. Foram feitas, no total, 19.763 prisões, contra 17.309 no mesmo período do ano passado. Nos últimos 12 meses, o número de prisões cresceu 10,68%, com 2.202 a mais que em igual período anterior.

Até outubro, foram apreendidas 2.835 armas ilegais na Grande São Paulo.

Números do Grande ABC

A região do ABC – composta por sete cidades – apresentou queda de 16,1% no número de homicídios dolosos. Até outubro deste ano, nas sete cidades, foram registrados 198 homicídios, contra 236 registrados nos primeiros 10 meses do ano passado.

Os roubos de carga também caíram 9,02% na região, com 34 casos a menos em comparação com os primeiros 10 meses do ano passado.
Já o tráfico de drogas, considerado um indicador de produtividade policial, aumentou 21,36% na região do Grande ABC.

Violência contra a mulher

Desde setembro, a Secretaria da Segurança Pública passa a publicar dados de criminalidade contra a mulher. Os números de homicídios, tentativas de homicídios, lesões corporais dolosas e maus tratos, entre outros, serão divulgados mensalmente pelo site da SSP (www.ssp.sp.gov.br). A divulgação atende o disposto na Lei Estadual 14.545, de autoria da deputada Analice Fernandes, aprovada pela Assembléia Legislativa e sancionada pelo governador Geraldo Alckmin, em 14 de setembro deste ano.

O Estado de São Paulo é pioneiro na criação de políticas de defesa da mulher. Tem hoje 129 Delegacias de Defesa da Mulher. Os dados criminais incluem não apenas as ocorrências registradas pelas DDMs, mas de todos os distritos policiais.

Separados por capital, Grande São Paulo, interior e Estado, os crimes contra a mulher já estão contabilizados nas Estatísticas Mensais da Criminalidade, divulgadas pela SSP. Assim, podem ser acompanhados com um foco especial nos crimes contra a mulher. Mas estão contabilizados nos números mensais, que incluem crimes contra homens e mulheres.

Atualizações mais frequentes

Desde março, São Paulo passou a divulgar as estatísticas criminais por mês e por distrito policial no site da SSP (www.ssp.sp.gov.br). A divulgação era feita trimestralmente desde 1995. Com a mudança, as atualizações das estatísticas passaram a ser mais frequentes.

As estatísticas destinam-se, em primeiro lugar, à tomada de decisões estratégicas de governo, como distribuição de recursos materiais, humanos e tecnológicos. Por isso, são sempre atualizadas, de modo a refletir da forma mais próxima possível a criminalidade.

De forma geral, as atualizações são feitas a pedido dos delegados titulares de distritos, seccionais ou divisões, na medida em que descobrem fatos novos a partir da investigação dos crimes. As atualizações propostas são analisadas pela Coordenadoria de Análise e Planejamento da SSP antes de serem oficializadas.

A SSP toma medidas constantemente para diminuir a subnotificação e aumentar o registro formal de cada crime ocorrido. Exemplos disso são a Delegacia Eletrônica e o registro de BOs pela Polícia Militar. É com base nos registros oficiais que são elaborados os mapas da criminalidade, que indicam locais, dias e horários de maior incidência.

Postar um comentário