domingo, 25 de março de 2012

(SP) Achado depósito de carga roubada

Policiais civis da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jundiaí anunciaram, ontem, a descoberta de um depósito de cargas roubadas, que funcionava em chácara no bairro do Rio Acima. Produtos de pelo menos três roubos, realizados este ano na Região, estavam em galpão da propriedade, situada na Avenida José Manoel da Silva. O caseiro do imóvel, R.M.S., 40 anos, foi flagrado, no final da tarde de anteontem, entrando na propriedade. Ele foi indiciado, pagou fiança de R$ 630 - estipulada pelo delegado titular da DIG, Marcel Fehr - e responderá em liberdade por receptação (artigo 180 do Código Penal).

Detalhe curioso chamou a atenção dos investigadores Júlio, Gigio e Trajano, da equipe Fênix III, da delegacia especializada: em parede de tijolos da chácara, havia um furo pequeno que era usado como ´olho mágico´, para que o movimento na frente do imóvel pudesse ser monitorado por quem estava dentro da propriedade. Deram apoio aos policiais os integrantes das equipes Fênix I e II (Rodrigo, Gelson, Sandro e Bonfim). De acordo com o policial Gigio, o local vinha sendo vigiado por sua equipe há pelo menos um mês. "Na última terça-feira, montamos campana perto da casa e ficamos lá cerca de 12 horas, observando o movimento. Também checamos outras chácaras da região e a casa do indiciado, mas não encontramos produtos que poderiam ter sido levados durante o transporte dos mesmos", afirmou.

Apreendidos - A DIG apreendeu na propriedade duas lavadoras de roupa, cama de solteiro, armário com seis portas, sofá e duas fruteiras. Todo o material foi apreendido e pertencia a cargas que seriam entregues aos clientes de uma grande rede de lojas. "Já identificamos três ocorrências de roubo de cargas, cujos itens estavam no imóvel do Rio Acima. Duas foram registradas em Várzea, em 16 de janeiro e 2 de março, e outra, em Jarinu, dia 10 de fevereiro deste ano", informou o delegado Marcel Fehr. Ele ressaltou que outros artigos roubados deveriam estar na propriedade, mas quando a polícia entrou os produtos já devem ter sido repassados.

O caseiro - À polícia, R.M.S. contou que foi contratado pelo dono da chácara, que não aparece no imóvel há mais de 10 anos. "Apenas tomo conta. Recentemente, dois rapazes pediram que eu alugasse um espaço na garagem, para guardar algumas mercadorias", disse o indiciado. O proprietário não sabia da solicitação da dupla, segundo o caseiro. As pessoas que pediram o espaço usavam um Monza vinho e, pelas informações do BO, feito na delegacia especializada, R. não tinha antecedentes criminais. O setor de inteligência da DIG apura se outras vítimas da abordagem de ladrões, que tiveram cargas levadas na Região reconhecem o imóvel no Rio Acima. A casa tem, inclusive, uma área, perto da churrasqueira, onde motoristas dos caminhões interceptados aguardavam a retirada dos produtos roubados.

FONTE: GUIA DIGITAL CIDADE

Postar um comentário