quinta-feira, 12 de julho de 2012

(SP) Roubos de cargas nas rodovias de acesso ao Porto quase dobram

As rodovias das regiões da Baixada Santista e do Vale do Ribeira, que dão acesso ao Porto de Santos, aparecem na segunda posição do ranking de roubo de cargas nas estradas do interior do Estado. O Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo Interior (Deinter) 6, que abrange os 24 municípios, perde apenas para o Deinter 2, que reúne 38 cidades da região de Campinas, no interior.

Em maio, o índice de crimes praticamente dobrou na comparação com o ano passado na região. No quinto mês deste ano, 40 roubos s foram registrados no Deinter 6. Já, no mesmo período do ano passado foram 21 ocorrências.

A listagem, feita pela Secretaria Estadual de Segurança Pública, aponta a localização do cais santista e o grande fluxo de mercadorias que trafegam por esta região como os principais motivos para o índice de roubo de mercadorias. Na área de abrangência do Deinter 6, as rodovias Anchieta e dos Imigrantes são responsáveis pelo escoamento e abastecimento de carga entre o Porto de Santos e as principais regiões do Estado e do País.

Já a BR-116, que passa pelos municípios do Vale do Ribeira, é responsável pela ligação viária entre o complexo santista e a região Sul do País. Os roubos também aconteceram na Rodovia Cônego Domênico Rangoni (SP 248/55, antiga Piaçaguera-Guarujá), e na Rodovia Padre Manuel da Nóbrega (SP 55).

Nos cinco primeiros meses do ano, período em que as estatísticas estão disponíveis, foram registrados 143 roubos de cargas nas rodovias da Baixada Santista. No mesmo período do ano passado, 132 ocorrências foram contabilizadas.

Mas, de acordo com os especialistas em segurança, a situação não é tão crítica como parece. O motivo é a forma de contagem dos crimes, realizado pela Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Segundo o órgão, o princípio da transparência obriga que as ocorrências envolvendo roubo a caminhões ou veículos de entrega de mercadorias em área urbana sejam contabilizados como roubo de cargas. Neste caso, até assaltos envolvendo carteiros e suas bolsas de correspondência entram nas estatísticas.

Se um caminhão de bebidas tem o motorista abordado e roubado no instante em que está realizando a entrega e apenas uma ou algumas caixas do produto são roubadas, a ocorrência também é registrada como roubo de cargas. Porém, isto só acontece quando os bandidos não roubam também o veículo.

Para comprovar a discrepância entre os dados, pode-se observar os números fechados do ano passado. No levantamento do Sindicato das Empresas de Transporte Comercial de Carga do Litoral Paulista (Sindisan), o total de ocorrências de roubo de cargas registradas na região chegou a 147. Já os números da Secretaria Estadual de Segurança Pública são bem maiores e alcançam 364 crimes.

O primeiro dado é referente às ocorrências envolvendo cargas de alto valor econômico, como as transportadas em contêineres. Já o segundo abrange todos crimes em que mercadorias são roubadas, independentemente do valor.

Investigações

As cargas de maior valor, que têm o Porto de Santos como origem ou destino são repassadas à receptores que comercializam as mercadorias. Neste ano, 30 pessoas ligadas a quadrilhas de roubo ou furto de cargas foram presas. Cargas conteinerizadas, de açúcar e café, são as mais procuradas por bandidos.

De acordo com órgão estadual de segurança, a recuperação de cargas roubadas ocorre com mais sucesso quando a comunicação do crime é feita com antecedência pela pessoa que sofreu o assalto. O encontro das cargas acontece em locais próximos às áreas urbanas, geralmente em periferias, longe de grandes centros.

Geralmente, os crimes são cometidos por quadrilhas especializadas, formadas por membros com funções específicas e divididas. Cada um é responsável por uma etapa do crime, desde a abordagem até a destinação final da carga. O primeiro contato com o veículo que será roubado ocorre com a utilização de um ou mais veículos, seguida da retenção do motorista, até que a carga seja guardada em local seguro para o bando.

Um grupo formado por integrantes das polícias Civil, Militar e Federal, além de membros dos sindicatos das transportadoras e dos motoristas, se reúne mensalmente para discutir formas de prevenir os roubos de cargas na Baixada Santista e no Vale do Ribeira.

FONTE: A TRIBUNA

Postar um comentário